É possível viajarmos no tempo através de um wormhole… se formos um fotão

É possível viajarmos no tempo através de um wormhole… se formos um fotão

23 de Maio de 2014 2 Por Tiago

Wormhole (ou buraco de minhoca) é, em teoria, um buraco no tecido do cosmos, que serve de atalho para eventuais viagens no espaço/tempo. Esta teoria faz as delícias de livros e filmes de ficção científica, desde que Einstein formulou a relatividade geral.

Na realidade, não existem factos que comprovem a existência de wormholes. Mas se existirem, este podem funcionar como portais para nos ligar ao futuro, passado ou outras regiões distantes do Universo.

No entanto, estas viagens quase instantâneas entre o espaço/tempo só são possíveis, aparentemente, para fotões. E segundo Luke Bucher, físico teórico da Universidade de Cambridge, mesmo os fotões poderão não conseguir passar através deste hipotético atalho cósmico.

Em 1980, Kip Thorne, fisco do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech), desenvolveu a teoria de que, para tornar um wormhole suficientemente estável (para o atravessar), seria necessário alguma energia negativa. No mundo quântico, esta energia poderá ser conseguida através do Efeito Casimir.

Wormhole space-time

Para Thorne, e a sua equipe da Caltech, o Efeito (ou energia) Casimir poderia ser aplicada no próprio buraco de minhoca, de forma a mante-lo aberto por um determinado período de tempo, suficiente para que algo passe através dele.

A estabilidade do wormhole é extremamente importante, caso contrário o mesmo colapsa sobre si mesmo. Desta forma, Butcher identificou algumas configurações mais estáveis, e segundo ele:

A energia negativa de Casimir permite que o buraco de minhoca entre em colapso muito lentamente, sua vida útil cresce sem limites à medida que o comprimento da “garganta” aumenta.

Nós descobrimos que a “garganta” se fecha suficientemente devagar, de tal forma que a sua região central possa ser percorrida, com segurança, por um pulso de luz.

Admitindo que não existe certezas quanto à possibilidade do fotão conseguir atravessar o wormhole, Butcher ainda assim acredita que este poderá viajar mais rápido que a velocidade da luz ou até mesmo viajar no tempo (para o passado ou futuro).

Estes resultados sugerem que, experimentalmente, um wormhole macroscópico, atravessável, pode ser sustentado pela própria energia de Casimir, fornecendo um mecanismo para comunicação mais rápida do que a luz e curvas causais fechadas.

Atualmente, esta pesquisa é basicamente teórica. Contudo, poderá renovar o interesse no estudo dos buracos negros e suas capacidades, como potenciais pontes do espaço/tempo.

https://www.youtube.com/watch?v=c7wdPGFW4W0

Se vamos poder provar a existência dos wormholes ou não, ainda não sabemos. Mas existem fortes indícios que apontam para tal. Quem sabe num futuro longínquo, possamos viajar de galáxia em galáxia instantaneamente.

Quanto às viagens no tempo… pelo menos viajar para o passado, deve ser algo que nunca iremos conseguir atingir. Caso contrario, já teríamos recebido visitas do futuro.

Via: Discovery News
Créditos de Imagem: Corbis | edobric/Shutterstock