Supercomputador mais poderoso do mundo para 2018

Supercomputador mais poderoso do mundo para 2018

8 de Novembro de 2010 2 Por Tiago

Imagem meramente ilustrativa

Intel, DARPA, e o San Diego Supercomputer Center, deram início a projecto de oito anos, para criar o supercomputador mais poderoso alguma vez construído.

Quando em 2018, o projecto o projecto estiver concluído, este supercomputador estará pronto para executar um milhão de triliões de operações por segundo, à incrível escala de cálculo Exaflop. E será desta forma, cerca de 1000 vezes mais rápida que o actual supercomputador mais rápido do mundo.

Hoje em dia a construção de um supercomputador não se resume à acumulação de CPUs e GPUs. O sistema que a Intel, DARPA e a Supercomputer pretendem implementar, visa tira partido da arquitectura, de tal forma, que permitirá tornar a máquina mais eficiente, simples e económica. Segundo o director adjunto do SDSC, “a memória cache, crua e simplista e políticas prefetch de hoje não funcionam ao nível da exa-escala”.

Quando falamos num supercomputador à escala Exaflop, falamos também em quantidade enormes de energia gasta para o alimentar. Portanto, a eficiência de transmissão de dados entre componentes, terá de ser controlada e precisa, para que estes consumam apenas a energia essencial. Mas esta é possivelmente uma das partes mais complicadas do processo. No qual a Intel está a trabalhar empenhadamente, num novo design para os chips, que acredita poderem vir a ser 1000 vezes mais eficiente, que chips mais eficiente actuais.

Agora, a pergunta que se faz é, para que um computador Exaflop?

Eu, e provavelmente alguns de vocês, sabia exactamente em que é que este supercomputador poderia ser útil, mas o mundo dos vídeo jogos não é com certeza, a aplicação para o qual este está a ser construído… Contudo, os pesquisadores esperam processar dinamicamente, dados de sensores em tempo real (como por exemplo simulações climática), fazer planeamentos estratégicos complexo e investigar as relações complexas entre em conjuntos de dados em larga escala.

Não sei se com este novo supercomputador, poderemos responder às principais questões essenciais da nossa existência, de onde é que vimos, para onde é que vamos, se o universo é realmente infinito ou o que aconteceu nos primeiros momentos após o Big Bang. Mas mesmo que os Exaflops não cheguem, poderemos sempre tentar os Zetaflops, ou até mesmo os yotaflops.