A segurança é algo indispensável no que diz respeito à aviação e, antes de entrar ao serviço, o F-35 terá de passar por inúmeros testes para comprovar se é ou não realmente seguro.

Em caso de avaria, ou mesmo de danos (causados em combate), o último recurso de um piloto de aviões a jato furtivos como o F-35 é o assento ejetor.

Por esse motivo, a BAE Systems tem estado a testar o sistema de ejeção do novo F-35, em terra. Os testes foram realizados com um cockpit idêntico ao do jato, que deslizou sobre os trilhos de teste, impulsionado por foguetes a uma velocidade de 965 Km/h.

Este novo sistema de ejeção inclui um foguete posicionado por baixo do assento do piloto, mais um sistema de “ remoção de transparência, emergência e de separação estrutural”, que é um pequeno explosivo concebido para explodir com o vidro do cockpit, desimpedindo o caminho para o piloto.

Três segundo após acionado o sistema de ejeção, o piloto é expelido do avião juntamente com o assento, abre-se o paraquedas e inicia-se a viagem de descida à Terra.

A BEA Systems optou por efectuar os testes nos carris em terra a 965 Km/h, em vez de num F-35 Lightning II verdadeiro, no ar. Seria inviável destruir um avião destes cada vez que quisessem testar um sistema de assentos ejectáveis.

Fonte: BEA Systems