O robô bípede que melhor emita o andar dos humanos

O robô bípede que melhor emita o andar dos humanos

9 de Julho de 2012 0 Por Tiago

Ao longo dos tempos, os cientistas têm vindo a desenvolver máquinas capazes de imitar os movimentos de inúmeros animais, especialmente os movimentos corporais dos próprios humanos.

Temos visto vários exemplos de robôs bípedes, como o PETMAN ou o Core, mas nenhum deles (até agora) é capaz de uma imitação rigorosa de todos os movimentos do acto de caminhar, como o próximo robô que vou apresentar.

Criado no laboratório da Universidade de Arizona, nos EUA, este par de pernas robóticas beneficia de um sistema de mecanismos, que emitam os nossos músculos e tendões, permitindo-o aproximar-se, o mais possível, da forma como um ser humano de movimenta.

O “modelo muscular biarticulado da perna” foi criado pelos investigadores M. Anthony Lewis e Theresa J. Klein, desde 2008, para imitar a ação do principal grupo muscular das nossas pernas, através da utilização de motores para puxar os “tendões” de Kevlar.

Com a ajuda do princípio de descentralização de um Gerador de Padrão Central (GPC), o protótipo com cerca de 4.5 quilogramas de peso, é capaz de reproduzir movimentos naturais (ou o mais naturais possíveis). Contudo, este necessita ainda de um mecanismo de apoio, para se poder equilibrar, como poderão ver no vídeo abaixo.

O GPC é um sistema corporal que produz saídas rítmicas locais, sem que seja necessária a interação de um controlador principal, como o cérebro. No caso dos seres humanos, foi provado que estes utilizam GPCs em tarefas cotidianas, como mastigar, deglutir e respirar.

Imagine o GPC como um software pré-programado, com o qual todos nós nascemos. Como por exemplo, o facto de os bebés imitarem o andar, mesmo antes de aprenderem a equilibrar-se e a coordenar os movimentos.

Esta equipa de investigadores está a tentar replicar o sistema de locomoção GPC humano, uma rede neuronal localizada por toda a medula espinal inferior, que permite ao robô mover-se de uma forma tão humana quanto possível.

Um artigo detalhado descreve a forma como esta tecnologia “representa um modelo do sistema físico, ou neurorobótico completo, demonstrando a utilidade deste tipo de pesquisa em robótica, para a investigação dos processos neurofisiológico subjacente ao anda nos humanos e animais”.

Deixe-se ficar o com o próximo vídeo e veja o robô bípede, desenvolvido na Universidade de Arizona, em ação.

Fonte: Plastic Pals