primeira molécula

NASA descobre finalmente evidências da molécula mais antiga do universo

Partilhar
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email

Cerca de 100 mil anos após o Big Bang, o hélio e o hidrogénio fundiram-se para formar a primeira molécula, o hidreto de hélio. Esta combinação ajudou a arrefecer o universo e à formação de estrelas. No entanto, até agora e apesar de décadas de pesquisa, os cientistas nunca foram capazes de encontrar (no espaço) vestígios desta molécula.

O hidreto de hélio foi encontrado a 3.000 anos-luz de distância.

Para detectar esta molécula primordial, a NASA utilizou o Observatório Estratosférico de Astronomia Infravermelha (SOFIA). E assim, a cerca de 3000 anos-luz de distância na nebulosa planetária NGC 7027 (remanescente de uma estrela semelhante ao Sol), foi encontrada.

Em síntese, segundo os resultados publicados na revista Nature, esta é a prova de que o hidreto de hélio pode existir no espaço e a confirmação das teorias sobre a química primitiva do universo e a sua própria evolução.

Além disso, esta descoberta prova ainda o poder desta que é a mais recente tecnologia ao dispor da NASA. SOFIA é o maior observatório aéreo do mundo, uma vez que foi acoplado a um jato Boeing 747P modificado. Pois permite que o mesmo regresse, após cada missão de pesquisa, e que seja regularmente actualizado com novas ferramentas.

Poderá também querer ver: Novas imagens da Nebulosa do Véu.

Por conseguinte, foi graças a uma atualização recente, aos instrumentos do Receptor Alemão em Frequências Terahertz (GREAT) do SOFIA, que permitiu esta descoberta. Desse modo, os investigadores sintonizassem a frequência da molécula, para a procurarem na nebulosa NGC 7027 onde, desde 1970, a esperavam encontrar.

Primeira molécula do universo

De acordo com Harold Yorke,director do SOFIA Science Center, em comunicado de imprensa, a molécula estava lá à espreita, nós só precisávamos dos instrumentos certos para a encontrar.

A tecnologia prova, uma vez mais, aquilo que já suspeitamos à alguma dezenas de anos. Tornado-a, desse modo, um dos maiores pilar de sustentação da ciência.

Fonte: NASA, Nature, engadget
Imagem: NASA/SOFIA/L Proudfit/D.Rutter

Partilhar
Share on facebook
Share on twitter
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on email
Artigos Relacionados
Comentários