Nanopartículas de ouro pode ser utilizadas para derreter excesso de gordura

Nanopartículas de ouro pode ser utilizadas para derreter excesso de gordura

20 de Junho de 2014 0 Por Tiago

A lipoaspiração é um dos tratamentos mais comuns e eficazes no processo de remoção de gorduras e perda de peso. Porem, graças ao mais recente desenvolvimento de tecnologias como as nano partículas, esse processo pode tornasse mais rápido, eficaz e menos doloroso.

Uma equipa de investigadores, da Universidade da Califórnia em San Diego, acredita que as nanopartículas de ouro podem ser usadas para derreter a gordura, antes de esta ser aspirada.

As nanopartículas de ouro é a mais recente “menina-dos-olhos” da medicina moderna. Atualmente está a ser utilizada em diversas pesquisas, desde a deteção de cancro à criação de pele artificial.

Umas das principais características, destas nanopartículas, é o seu rápido aquecimento após exposição à luz infravermelha. Estas ficam tão quentes que podem, literalmente, derreter certo tipo de tecidos.

Após analisaram o seu potencial para matar células cancerosas, os investigadores concluíram que as nanopartículas de ouro também podem ser úteis na eliminação de gordura.

Lipoaspiração

Lipoaspiração comum.

  • Apesar de comum, a lipoaspiração é um procedimento com variados efeitos secundários, como hematomas e a necessidade de um tempo de recuperação, relativamente longo.
  • No procedimento habitual é injetada um anestésico juntamente com uma solução salina, na gordura do paciente. De seguida, um cirurgião insere uma agulha oca na área com gordura e raspa a gordura até esta ser desfazer, antes da aspiração.
  • Infelizmente, esta técnica não prima pela precisão e, muitas vezes, nervos e outros tecidos (que não são gordura), são sugados durante o processo.

Lipoaspiração com nanopartículas de ouro.

  • No caso das nanopartículas de ouro, o processo é bem mais simplificado. As mesmas são injetadas na área com gordura e, de seguida, expostas a uma luz laser de infravermelhos.
  • Tendo em conta que a gordura derrete a temperaturas mais baixas, que outros tecidos e nervos, apenas a gordura sofrerá com o aquecimento.
  • Pós ser derretida, a gordura em excesso é sugada através do habitual processo de lipoaspiração, com uma agulha oca.

Os investigadores testaram, com sucesso, esta técnica em manteiga, bacon e em seguida em animais. Os resultados foram tão bons, que os testes irão continuar (brevemente) em seres humanos.

Via: C&EN
Créditos de Imagem: Universidade de Missouri