Microsoft apresenta a casa do futuro

Microsoft apresenta a casa do futuro

4 de Maio de 2011 1 Por Tiago

Todos nos tentamos imaginar como serão as nossas casas no futuro, mas normalmente, a nossa imaginação é bastante limitada quando a comparamos com o que realmente estas vêm a torna-se.

A Microsoft tem a sua própria ideia de como serão as nossas casas no futuro, por isso, criou uma casa futurista que poderá fazer parte das nossas vidas, num futuro não tão longínquo quanto parece.

No campus da Microsoft, foi construída uma casa, que visa fazer antecipar um pouco como será a comum vida suburbana em 2025. Como terão a oportunidade de ver no vídeo apresentado no final deste artigo:

  • À entrada da casa, começamos por ter um móvel munido com a tecnologia Surface, onde poderemos pousar:
    • Os nossos telemóveis, permitindo aceder as suas configurações ou recarrega-los através da tecnologia wireless,
    • Ou ainda os nossos relógios, transferindo todos os dados relacionados com o nosso ritmo cardíaco, que foram armazenados durante o dia.
  • Na sala, um incrível ecrã, onde poderemos aceder a milhares de músicas, filmes e todo o tipo de conteúdos da Internet, com recurso a um interface extremamente prático e inteligente, que irá associar todo o tipo de conteúdos, em contexto com os seus interesses.
    • Este interface será capaz de analisar uma (qualquer) fotografia, ou imagem “pausada” de um vídeo, associando conteúdo descritivo a objetos, pessoas e edifícios que o mesmo for capaz de reconhecer.
  • Passando por fim ao quarto de um jovem do futuro (neste caso uma jovem), no qual as paredes são como um enorme ecrã de um computador, completamente customizável, permitindo aceder a redes sociais, ou usa-lo como uma plataforma interativa para trabalhos de estudo, entre muitos outros.

São várias as tecnologias futuristas apresentadas neste vídeo, mas muito ficou por mostrar, tendo sido prometido numa próxima visita.

Cada vez mais, a tecnologia faz parte da nossa vida. Por um lado é bom, porque nos permite estar em “contacto” com todo o mundo. Por outro lado é mau, porque nos prende cada vez mais às nossas casas, fazendo com que o contacto físico com as pessoas e a natureza seja cada vez mais escasso.