Identificar sensores de alimentos do cancro pode ajudar a travar o crescimento do tumor

Identificar sensores de alimentos do cancro pode ajudar a travar o crescimento do tumor

6 de Outubro de 2015 0 Por Catarina

Investigadores da Universidade de Oxford identificaram uma proteína utilizada por tumores para detetar fontes de alimento. Estudos iniciais mostram que a segmentação da proteína poderia restringir a capacidade de crescimento das células cancerosas.

Uma equipa do Departamento de Fisiologia, Anatomia e Genética, liderada pela Dra. Deborah Goberdhan, trabalhou com o médico e pesquisador de cancro, Adrian Harris, para compreender os efeitos desta proteína chamada PAT4.

Segundo Goberdhan

“Nós descobrimos que as células cancerígenas agressivas fabricam mais PAT4, o que lhes permite uma melhor utilização dos nutrientes disponíveis, do que as células em torno deles – incluindo o tecido saudável.”

As células cancerígenas restringem, frequentemente, o acesso ao fornecimento de sangue rico em nutrientes. A capacidade para detetar e adquirir nutrientes é crítico para um cancro em crescimento.

Proteina sensores de alimento do cancro

As equipas desenvolveram um anticorpo que pode ser usado para destacar PAT4 em amostras de tecidos humanos. Este foi então usado para estudar amostras tumorais anónimas retiradas de pacientes com cancro do colo-rectal.

Quando foram comparados os resultados, verificou-se que aqueles que tinham níveis mais elevados de PAT4 nos seus tumores tinham mais probabilidades de ter uma recaída ou de morrer do que os que tinham níveis mais baixos. A redução dos níveis da proteína conduzia a um crescimento mais lento do tumor.

Goberdhan conclui:

“Estes resultados apoiam-se mutuamente. Não só níveis mais elevados de PAT4 significam um resultado pior, mas a redução dos níveis melhora a situação. Isso significa que nós temos identificado um mecanismo que as células cancerígenas preferem usar e que pode ser capaz de atingir como parte de um tratamento de combinação.”

Fonte/créditos de imagens: Universidade de Oxford