HP promete PCs 100 vezes mais rápidos com microprocessadores a laser

HP promete PCs 100 vezes mais rápidos com microprocessadores a laser

8 de Março de 2012 2 Por Tiago

A HP tem vindo a testar uma nova tecnologia de interligação fotónica entre microprocessadores, que promete tornar os computadores do futuro, 100 vezes mais rápidos que os atuais.

A ideia de utilizar feixes laser em vez de pistas de cobre, para permitir a comunicação entre os componentes de um computador não é nova, o que tem levado muitas empresas a dedicar algum do seu precioso tempo a este conceito.

Mas a HP pretende ser pioneira e como poderão ver na imagem acima, está a desenvolver um “dispositivo de microanel fotónico”, que é parte da arquitetura do chip fotónico chamado Corona.

Abaixo poderá ver o aspeto do microanel fotónico, quando desligado.

O Corona é um chip fotónico integrado 3D, que integra 256 núcleos para funções gerais, organizados em 64 grupos de quatro núcleos cada. Este processador beneficia de uma enorme quantidade núcleos, contudo, a sua rapidez deve-se essencialmente à interligação ótica (com ligações laser) ente componentes.

Cada núcleo poderá comunicar entre si, a uma velocidade de 20 terabytes por segundo, com a memória em loop a 10 terabytes por segundo, efetuando umas impressionantes 10 biliões de operações de ponto flutuante por segundo.

Tudo isto num único chip, que multiplicado por centenas ou mesmo milhares destes processadores fotónicos, integrados num supercomputador, permitirá atingir velocidades de mil milhões de gigahertzs. O que seria impossível com um chip não ótico.

A eficiência é outra das vantagens dos chips fotónicos. Usar eletricidade para transmitir 10 terabytes por segundo, entre a CPU e a memória externa requer 160 watts de potência, enquanto a HP Labs calculou que usar um chip fotónico integrado requer apenas, 6.4 watts de potência.

Isto significa que os processadores óticos serão 25 vezes mais eficientes do que os processadores comuns e com um pouco de sorte, esta tecnologia poderá estar disponível dentro de 3 a 5 anos.

Via: Wired