Astrónomos no ESO julgam ter observado o nascimento de um planeta gigante

Astrónomos no ESO julgam ter observado o nascimento de um planeta gigante

1 de Março de 2013 2 Por Tiago

Astrónomos no Observatório Europeu do Sul (ESO) em utilizado o telescópio Very Large Telescope (VLT) para observar, o que se pensa ser, a formação de um gigante gasoso, semelhante a Júpiter.

O planeta está localizado dentro de um disco de poeira e gás, em torno da jovem estrela HD 100546, a 337.3 anos-luz da Terra.

Este planeta gigante fica 70 vezes mais longe de HD 100546 do que a distância que separa a Terra do Sol. Esta enorme distancia, torna um tanto-o-quanto controversa a sua identificação como planeta, uma vez que não encaixa nos atuais perfis teóricos de formação de planetas.

Desde a descoberta do primeiro exoplaneta, em 1995, várias centenas de sistemas planetários foram identificados e estudados, permitindo formar teorias (relativamente válidas) de como este são formados. Contudo, até agora, não existiu nenhuma observação direta, e consequente confirmação do processo de formação.

Neste sentido, se as observações a partir do VLT se confirmarem, poderemos estar perante uma descoberta significativa, que nos poderá levar à compreensão do processo, permitindo, pela primeira vez, aos astrónomos testarem as teorias atuais.

Imagem do gás e poeira em torno da estrela HD 100546.

  • À esquerda, imagem captada pelo telescópio NASA/ESA Hubble Space Telescope;
  • À direita, imagem captada pelo sistema NACO do telescópio VLT na ESO.

Imagens captadas por - NASA ESA Huble Space Telescope & sistema NACO do telescópio VTL da ESO.

Para esta observação, os astrónomos utilizaram de um coronógrafo especial, adaptado ao instrumento ótico NACO do VLT, para operar em comprimentos de onde próximos do infravermelho.

De acordo com Sasha Quanz, líder da equipe de astrónomos que fez esta descoberta:

Até agora, a formação de planetas tem sido um tema essencialmente abordado através de simulações por computador […] se a nossa descoberta for, de fato, um planeta em formação, em seguida, pela primeira vez, os cientistas serão capazes de estudar o processo de formação de planetas e a interação de um planeta em formação com o seu ambiente natal, empiricamente numa fase muito precoce.”

Contudo, apesar de todo o entusiamos em torna da descoberta, os cientistas aguardam o resultado de novas observações. Estas poderão confirmar se este é um exoplaneta em formação, ou um erro de leitura do VLT devido a uma possível interferência com fontes de fundo. Outra hipótese equacionada é este ser um planete completamente formado, e, por algum motivo, ter sido ejetado do seu sistema planetário.

Confirmando-se que estamos, de facto, perante a observação do nascimento de uma planeta, então poderemos afirmar que esta descoberta tornar-se-á um recurso inestimável de estudo, relativo ao processo de formação de novos sistemas planetários.

Deixe-se voar através do universo e fique a conhecer ambiente em redor da estrela HD 100546, no próximo vídeo.

Fonte: ESO