Discos rígidos magnéticos a laser armazenam 15x mais dados e são 1000x mais rápidos

Discos rígidos magnéticos a laser armazenam 15x mais dados e são 1000x mais rápidos

10 de Fevereiro de 2012 1 Por Tiago

Para os que achavam que os discos rígidos magnéticos estavam mortos e enterrados e que os SSD não tinham concorrência, eis que nos chega a notícia de uma nova tecnologia que promete reanimar os velhinhos HDD.

A notícia chega-nos da Universidade de York, na qual está a ser desenvolvida uma nova tecnologia que permitirá aumenta até 1.000 vezes a velocidade de escrita dos discos rígidos magnéticos (em relação aos atuais) e aumentar também, cerca de 15 vezes mais a sua capacidade de armazenamento.

Segundo os investigadores, os futuros novos discos HDD serão capazes de gravar a velocidades incríveis (centenas de terabytes por segundo), permitido obter performances 300 vezes superiores às dos atuas discos rígidos magnéticos.

Normalmente, os lasers e os dispositivos magnéticos não se dão muito bem. Os lasers criam calor, que tende a destruir os pequenos campos magnéticos que representam os zeros e uns que constituem os dados armazenados num disco rígido.

Contudo, se usarmos discos magnéticos especiais (como nanoilhas ferrimagnéticas feitas de uma liga de ferro e gadolínio) e um laser suficientemente rápido (que dispare pulsos com apenas alguns femtossegundos de duração), o calor gerado pelo pulso de laser fará com que o estado magnético das nanoilhas se alterne rapidamente.

Segundo Thomas Ostler, físico e líder do projeto na Universidade de York:

“Em vez de usar um campo magnético para gravar a informação nos discos magnéticos, temos aproveitado as forças internas (muito mais fortes) e gravado informação usando apenas o calor.”

Este método revolucionário permite a gravação de terabytes (milhares de gigabytes) de informação por segundo, centenas de vezes mais rápido do que a tecnologia de unidade de disco rígido atual.”

Mas as vantagens não se ficam por aqui, além de uma maior capacidade de armazenamento e de serem muito mais rápidos na escrita, os novos disco serão ainda, energeticamente mais económicos.

Como não há necessidade de um campo magnético, há também menor consumo de energia.”

Afinal, os discos rígidos magnéticos ainda têm uma palavra a diz e não tencionam a reforma-se tão cedo.

Fonte: Universidade de York