Braço robótico controlado através da mente

Braço robótico controlado através da mente

17 de Maio de 2012 4 Por Tiago

Um grupo de cientistas desenvolveu um sensor implantável, que permite aos pacientes que sofram de paralisia dos membros superiores, a possibilidade de controlarem um braço robótico através da sua mente.

A paralisia pode ser provocada por variadas complicações, como um Acidente Vascular Cerebral por exemplo. Um AVC pode causar danos irreparáveis em determinadas áreas do sistema nervoso central, cortando a transmissão dos impulsos emitidos pelo cérebro, para os músculos.

Através desta nova tecnologia, será possível restabelecer alguma da autonomia, que outrora os pacientes tinham.

Como funciona:

  • Um conjunto de 96 pequenos elétrodos (com a espessura de um cabelo) é implantado sobre o córtex motor primário (no topo da cabeça do paciente);
  • Estes elétrodos encontram-se diretamente conectados ao sensor, que capta os sinais emitidos pelo cérebro;
  • Por sua vez, o sensor encaminha os sinais para um pequeno computador (no topo da cabeça do paciente).
  • O computador interpreta e traduz os sinais, para uma “linguagem” que braço mecânico reconhece;
  • E por fim, o braço mecânico recebe os sinais (traduzidos) e reage, movendo-se de acordo com a vontade do paciente.

Todos estes passos, acima descritos, ocorrem de forma quase instantânea.

Segundo o neurologista Leigh Hochberg, do Departamento de Assuntos de Veteranos em Providence, Rhode Island nos EUA:

O objetivo final é desenvolver tecnologias neuronais para restaurar a mobilidade, especificamente para pessoas sem controlo sobre as suas próprias mãos e braços.”

Leigh e Jonh Donoghue (diretor do Instituto do Cérebro em Brown nos EUA) colaboraram no projeto “BrainGate” em 2006, um estudo que demonstrava ser possível controlar o cursor de um computador através de um interface neuronal, voltam a trabalhar novamente juntos.

O sistema foi testado com sucesso em dois pacientes (um homem e uma mulher), que ficaram tetraplégicos devido a um AVC.

A felicidade estampada no rosto da paciente Cathy Hutchinson comprova o sucesso deste teste. Sozinha, Cathy foi capaz de beber o seu café da manhã, usando apenas a sua mente para controlar o braço robótico.

Apesar de não conseguir falar, Cathy exprimiu a sua felicidade por se sentir novamente autónoma, ao fim de 15 anos.

De acordo com doutor Hochberg:

O sorriso na cara dela será algo que eu e a nossa equipa de investigadores, nunca iremos esquecer.

Apesar de a tecnologia não ser tão precisa e rápida quanto um braço humano, os resultados da experiência trazem uma nova esperança, a milhões de pacientes que se encontram nas mesmas condições.

Para os investigadores, o próximo passo será equipar o sistema BrainGate a uma prótese robótica. A prótese poderá ser utilizada pelo paciente, tornando-o mais independente.

No futuro, os investigadores esperam ser capazes de conectar o sistema BrainGate aos próprios membros paralisados dos pacientes, ativando (novamente) a comunicação entre o cérebro e os músculos.

Via: Discovery News