Arquiteto português desenvolve conceito de nuvem artificial sustentável

Quem é que já olhou para o céu, e nunca se imaginou a correr e saltar de nuvem em nuvem, como se de um enorme e fofinho algodão doce se tratasse?

Para bem, ou para o mal… eu já. E acredito que seria uma experiencia fantástica se realmente fosse possível. Mas infelizmente não é, ou não era até Tiago Barros, arquiteto licenciado na Universidade Lusíada em Lisboa, atualmente a trabalhar na empresa nARCHITECTS em Nova Iorque, se ter lembrado de desenvolver um meio de transporte conceptual, idêntico a uma nuvem.

O projeto chama-se Passing Cloud e é uma espécie de “balão-dirigível” no qual, qualquer pessoa poderá andar (em cima). A “Nuvem Passageira” é composta por uma estrutura rígida em aço inoxidável, que suporta uma serie de balões esféricos em nylon. Em conjunto, estes balões formam uma solida estrutura flutuante, idêntica a uma nuvem.

A nuvem não tem interior, apenas tem escadas para subir para o topo dos balões, onde os que nela viajarem terão a oportunidade de se divertirem como crianças (se não o forem). Se algum dia, o conceito Passing Cloud passar do papel para a realidade, não faltarão divertimentos e desportos radicais para experimentar, a bordo desta plataforma voadora.

Bastante elogiado pela comunidade internacional, Tiago Barros já trabalhou na Aedas Architects em Londres, Aires Mateus e Hilária Neto & Miguel Vieira em Lisboa e na Design Architect em Nova Iorque, onde fez parte da equipa que trabalhou no World Trade Center Memorial Museum.

Aqueles que não têm sequer paciência para pensar no destino de féria a marcar, poderão experimentar voar à deriva pelo mundo, visto que o vento é o único meio de propulsão do Passing Cloud. O que para alguns poderá ser uma desvantagem, mas para outros poderá ser uma vantagem, tudo dependendo do espirito aventureiro de cada um.


Fonte: Passing Cloud