Antenas imprimíveis captam energia elétrica do ar

Antenas imprimíveis captam energia elétrica do ar

11 de Julho de 2011 3 Por Tiago

Um grupo de investidores da Escola de Tecnologia Elétrica e Computacional, da Georgia, liderado pelo professor Manos Tentzeris tem vindo a desenvolve uma tecnologia de captação de energia em nosso redor, para alimentar (gratuitamente) as baterias de pequenos dispositivos electrónicos.

Não, não me estou a referir a nenhum tipo de energia espiritual, como o chi ou coisa parecida, mas sim à energia proveniente das ondas rádio, emitida por dispositivos sem fios como os telemóveis, transmissores de televisores e rádio, routers e até mesmo satélites.

Para desenvolver esta tecnologia, os investigadores usaram uma tecnologia de impressão a jato de tinta, que poderá ser impressa em papel ou polímero flexível. Esta tecnologia poderá tirar partido das frequências que vão desde o rádio FM até ao radar, numa amplitude de 100MHz a 15GHz (ou superior), os aparelhos capazes de captar esta energia, poderão converte-la de AC para DC e armazena-la em baterias.

Segundo Tentzeris, “há uma grande quantidade de energia eletromagnética em nosso redor, mas ninguém tem sido capaz de a aproveitar“.

Estamos a usar uma antena de banda ultralarga que nos permite explorar uma variedade de sinais em diferentes faixas de frequência, dando-nos uma capacidade muito maior de captação energética“.

A equipa foi capaz de gerar centenas de Miliwatt através da banda TV. Mas estão convencidos que se usarem um sistema capaz de coletar energia de múltiplas bandas, serão capazes de gerar facilmente 1 Miliwatt de potencia, que será suficiente para operar pequenos dispositivos elétricos, como sensores e microprocessadores.

Depois de ter demonstrado, que é possível colocar um sensor de temperatura a funcionar, através da captação de energia de uma estação de TV a 500 metros de distância, os investigadores estão já a preparar-se para demonstrar, que também é possível ativar um microprocessador, bastando para tal, segura-lo no ar.

É ainda sugerido, que esta tecnologia possa ser anexada a outras tecnologias para gerar energia. Como a energia solar por exemplo, para que desta forma possa gerar energia continuamente, seja de dia ou noite.

A equipa acredita que as antenas possam ser vendida a baixo custo dentro em breve, para variadas aplicações, tais como:

  • Sensores químicos, biológico, calor e stress para a indústria e sistemas de defesa;
  • Identificação por radiofrequência (RFID) etiquetagem para a fabricação e transporte, e tarefas de monitorização em diversas áreas, incluindo comunicações e utilização energética.

O potencial destas antenas de captação de energia é enorme, mas a sua capacidade de gerar energia, é ainda bastante limitada. Num futuro próximo, espero ver os computadores portáteis, entre outros a serem alimentados por esta energia (até agora) desperdiçada.

Fonte: Georgia Tech