Apesar de tudo estar (basicamente) morto na Lua, não significa que não possa haver um pouco de “rock and roll”, aqui e ali, de vez em quando.

Como já deve ter percebido, não estou a falar do famoso estilo de música, mas sim literalmente, de pedras (rock) a rolar (roll) na superfície da Lua.

Na fotografia (acima), captada pela “Orbitador de Reconhecimento Lunar“ (LROC), é possível ver um rasto (ou trilho) e cá em baixo, no fim do rasto, uma rocha. Segundo os cálculos dos cientistas, esta rocha mede cerca de 9 metros de diâmetro e rolou, colina abaixo ao longo de centenas de metros, parando a meio do caminho do pico central da cratera Schiller, provocada pelo impacto de um corpo celeste com a Lua.

Este tipo de acontecimentos não ocorrem com muita frequência, principalmente num satélite (ou qualquer corpo celeste) morto, visto que não tem atmosfera nem sequer atividade geológica. Contudo, a superfície lunar está exposta a impactos, ou ocasionais visitas de astronautas.

Mas probabilidade de que este inesperado movimento tenha mesmo sido provocado pelo choque de uma colisão, é grande. O mais interessante, e apesar de parecer que ocorreu ontem, é que a imagem sugere que a deslocação da rocha terá ocorrido num período ente 50 a 100 milhões de anos atrás.

Fonte: LROC